Credenciada ANVISA para a emissão do Certificado Intrnacional de Vacinas

Vacina contra Zoster

ca529e4b5c3d7c734b7690ca6439c9ed.jpg

 

Zoster, conhecida no Brasil como herpes zoster ou “cobreiro”, é uma doença
nfectocontagiosa que acomete uma em cada três pessoas, pelo menos uma vez na vida.

Estudos sobre a incidência de zoster – dados mundiais:

Estados Unidos: cerca de 01 milhão de casos a cada ano.

Europa:

1 caso em cada 1000 crianças menores de 10 anos de idade

2 casos em cada 1000 adultos menores e 40 anos

1 a 4 casos em 1000 adultos entre 40 a 50 anos de idade

7 a 8 casos em cada 1000 adultos maiores de 50 anos

10 casos ou mais em cada 1000 idosos acima de 80 anos

 

Espanha:

relatados 4,6 casos de zoster para cada 1000 pessoas entre 70-79 anos de idade e cerca de 7 casos para cada 100 exigiram internação hospitalar.

Herpes zoster é causado pelo vírus Varicella zoster, responsável pela catapora.

O vírus Varicella zoster, causa, portanto, duas infecções no ser humano: a primeira, com maior frequência na infância, é a varicela ou catapora e a outra é o Herpes zoster (ou zoster), de manifestação tardia.

Qualquer pessoa que teve varicela (catapora) em alguma fase de sua vida pode desenvolver Zoster futuramente, inclusive crianças, mas pessoas acima de 50 anos têm maior predisposição a desenvolvê-la. Mais da metade dos casos de zoster ocorre em pessoas com 60 anos ou mais.

Portadores de alguma condição que diminua a função do sistema imunológico como: situações de stress intenso, alguns tipos de câncer, diabetes, ou que estejam recebendo tratamento com medicamentos que diminuem a imunidade, como corticoides e outras drogas após transplante têm maior risco de desenvolver zoster.

 

Saiba sobre o vírus Varicela zoster

O vírus Varicella zoster é classificado como um membro do gênero Varicellovirus, derivado da sub-família dos alfa herpes virus humanos que deriva, por sua vez, da família dos Herpervirus.

Não é o mesmo vírus causador das lesões de pele, mucosas oral, nasal, ocular e genital, decorrentes do vírus herpes simplex, embora tanto o Vírus Varicella zoster como o vírus Herpes simplex pertençam à mesma família.

Ainda não há uma vacina para herpes simplex, mas há vacina segura e eficaz contra o herpes zoster.

A Varicela (catapora) é a infecção primária causada pelo vírus Varicella zoster, que permanece no organismo de forma latente (no gânglio dorsal) por muitos anos após a cura da catapora e irá se reativar quando houver situações oportunas, causando assim a infecção secundária, ou seja, o herpes zoster.

Anos e até décadas após ter sido curada a catapora, o vírus se reativa atingindo os nervos periféricos (região intercostal, periocular, facial), causando dor intensa seguida de vesículas em forma de cacho de uva, que aparecem de modo unilateral (acometem um lado do corpo)
.

Sintomas e sinais do herpes zoster

Sintomas iniciais são inespecíficos, como dor de cabeça, fotofobia, cansaço, febre, seguidas de sensações anormais na região intercostal esquerda ou direita, periocular ou facial (também somente de um lado), como se uma agulha estivesse picando, arrepios no local ou mesmo dor intensa, mesmo sem a presença de lesões aparentes.

 

Rash cutâneo

• É unilateral e pode aparecer mais comumente no tórax, pescoço, olhos, face.

• Inicialmente na forma de pequenas manchas e pápulas avermelhadas que evoluem para vesículas após vários dias, secretando líquido transparente e posteriormente irão se transformar em crostas, resolvendo-se em média, dentro de 2-4 semanas.

Ocasionalmente, o rash não chega a se desenvolver, ficando somente a sensação dolorosa.

Complicações que podem ocorrer com o herpes zoster

 

1-Neuralgoia pós-herpética

Quando a dor permanece por mais de 30 dias (ocorre em 18-30% dos casos), que pode ser leve ou insuportável, constante ou intermitente, mesmo após o desaparecimento das lesões de pele.

Pode surgir após um estímulo trivial e persistir por semanas, meses ou anos, impedindo o sono, prejudicando o humor, o trabalho e outras atividades cotidianas, a vida social e levar à depressão.

Maiores de 50 anos de idade têm maior risco de desenvolver a neuralgia pós-herpética, além de dores mais intensas além do acometimento dos nervos trigêmeos e oftálmico.

 

2- Herpes Zoster Ocular

Acomete o nervo oftálmico em 15 % dos casos e pode ocorrer quando este nervo é principalmente um ramo do nervo trigêmeo. Se não for tratado, 50 a % dos casos podem evoluis para a diminuição visual até cegueira.

 

3- Complicações neurológicas

Inflamações severas em todo o sistema nervoso podem ocorrer, como mielites, encefalites, ventriculites, meningites, paralisia de nervos cranianos e isquemia cerebral.

 

4- Viremia

É a disseminação cutânea do vírus Varicella zoster levando a infecções em outros órgãos do corpo: pneumonia, hepatite, coagulação intravascular disseminada.

 

5- Complicações dermatológicas decorrentes do herpes zoster

Podem ocorrer infecções secundárias, causadas por bactérias, muitas vezes exigindo tratamento hospitalar para administração de antibióticos endovenosos. Hiperpigmentação da pele no local das lesões também pode ocorrer.
 

De que modo é transmitido?

Doentes podem transmitir a pessoas que nunca tiveram catapora (varicela) e estas irão desenvolver a doença primária, ou seja, catapora ou varicela. A transmissão se dá através do contato coma as lesões e também pela disseminação viral através do ar acometendo pessoas que respiram próximas aos doentes.

O período de transmissão ocorre quando há o rash cutâneo até a cicatrização da última lesão.

Existem outros fatores de risco para se desenvolver zoster?

Além da idade (acima de 50 anos), imunossupressão decorrente de medicamentos ou infecções, diabetes ou transplante de medula, mulheres têm maior predisposição que homens e brancos têm duas vezes mais chance de desenvolver zoster que negros. Também há maior risco em pacientes pós-cirúrgicos e estes devem estar afastados de doentes com zoster.

Crianças que desenvolvem catapora (varicela) precocemente, na fase neonatal ou primeiros meses de idade, têm maior predisposição ao zoster ainda na infância.
 

Vacinação contra herpes zoster

Atualmente, a vacina contra herpes zoster foi licenciada no Brasil (por enquanto somente nas clínicas de vacinação) para pessoas acima de 50 anos de idade e pode prevenir a doença em 51% e suas complicações em até 67%, principalmente a neuralgia pós-herpética, diminuindo as internações hospitalares e melhorando a qualidade de vida. Pesquisas realizadas com pacientes portadores de zoster demonstrou que a vacinação diminuiu o índice de depressão causada pelos sintomas da doença e consequentemente, houve uma menor necessidade de tratamento com a utilização de drogas antidepressivas.

Trata-se de uma vacina de vírus varicela zoster atenuados e que estudos demonstram ser segura e eficaz. Após 07 dias da vacinação já podem ser detectados anticorpos neutralizantes em pessoas vacinadas contra zoster.

Pessoas que não devem receber a vacina contra zoster:

Pessoas com história de alergia grave a gelatina ou neomicina

Para outras pessoas que estão imunossuprimidas devido ao uso de medicamentos (corticoides em altas doses, quimioterapia e transplantados), casos de imunodeficiência congênita severa ou portadores de HIV, gestantes.
 

Eventos adversos

A vacina foi estudada em mais de 20.000 pessoas acima de 60 anos de idade e o efeito colateral mais comum foi discreta vermelhidão e inchaço ou coceira no local da aplicação (como ocorre na vacina contra catapora).

Pessoas vacinadas contra zoster podem permanecer próximas a crianças pequenas, gestantes ou portadores de imunossupressão sem o problema de transmissão viral.

Alguns vacinados podem desenvolver algumas vesículas em torno do local da injeção, que desaparecem espontaneamente após alguns dias. Pode ficar uma mínima cicatriz residual no local.

A vacina não contém thimerozal (composto à base de mercúrio) em sua composição.

 

 

 

Referências biliográficas

 

1.Herpes zoster caused by vaccine-strain varicella zoster virus in an immunocompetent recipient of zoster vaccine.Tseng HF; Schmid DS; Harpaz R; Larussa P; Jensen NJ; Rivailler P; Radford K; Folster J; Jacobsen SJ.

Clin Infect Dis; 58(8): 1125-8, 2014 Apr.

2. J Virol. Jan 2013; 87(1): 415–421.doi: 10.1128/JVI.02561-12 PMCID: PMC3536365Human Anti-Varicella-Zoster Virus (VZV) Recombinant Monoclonal Antibody Produced after Zostavax Immunization Recognizes the gH/gL Complex and Neutralizes VZV Infection. Marius Birlea,a Gregory P. Owens,a Emily M. Eshleman,a Alanna Ritchie,a Igor Traktinskiy,a Nathan Bos,a Scott Seitz,a Yevgeniy Azarkh,a Ravi Mahalingam,a Don Gilden,a,b and Randall J.

3- Safety of zoster vaccine in elderly adults following documented herpes zoster. Morrison VA; Oxman MN; Levin MJ; Schmader KE; Guatelli JC; Betts RF; Gelb LD; Pachucki CT; Keay SK; Menzies B; Griffin MR; Kauffman CA; Marques AR; Toney JF; Simberkoff MS; Serrao R; Arbeit RD; Gnann JW; Greenberg RN; Holodniy M; Keitel WA; Yeh SS; Davis LE; Crawford GE; Neuzil KM; Johnson GR; Zhang JH; Harbecke R; Chan IS; Keller PM; Williams HM; Boardman KD; Silber JL; Annunziato PW.

J Infect Dis; 208(4): 559-63, 2013 Aug 15.

4. Varicella zoster virus-specific immune responses to a herpes zoster vaccine in elderly recipients with major depression and the impact of antidepressant medications.

Irwin MR; Levin MJ; Laudenslager ML; Olmstead R; Lucko A; Lang N; Carrillo C; Stanley HA; Caulfield MJ; Weinberg A; Chan IS; Clair J; Smith JG; Marchese RD; Williams HM; Beck DJ; McCook PT; Zhang JH; Johnson G; Oxman MN.

Clin Infect Dis; 56(8): 1085-93, 2013 Apr.

5. Herpes zoster vaccine effectiveness against incident herpes zoster and post-herpetic neuralgia in an older US population: a cohort study. Langan SM; Smeeth L; Margolis DJ; Thomas SL. PLoS Med; 10(4): e1001420, 2013.

6. A wide extent of inter-strain diversity in virulent and vaccine strains of alphaherpesviruses. Szpara ML; Tafuri YR; Parsons L; Shamim SR; Verstrepen KJ; Legendre M; Enquist LW.

PLoS Pathog; 7(10): e1002282, 2011 Oct.

7. Similar herpes zoster incidence across Europe: results from a systematic literature review. Pinchinat S; Cebrián-Cuenca AM; Bricout H; Johnson RW.

BMC Infect Dis; 13: 170, 2013.

8. Herpes zoster surveillance using electronic databases in the Valencian Community (Spain). Morant-Talamante N; Diez-Domingo J; Martínez-Úbeda S; Puig-Barberá J; Alemán-Sánchez S; Pérez-Breva L.

BMC Infect Dis; 13: 463, 2013.

9. Assessment of vaccine candidates for persons aged 50 and older: a review.

Eilers R; Krabbe PF; van Essen TG; Suijkerbuijk A; van Lier A; de Melker HE.

BMC Geriatr; 13: 32, 2013.

10. Health economic evaluation of vaccination strategies for the prevention of herpes zoster and postherpetic neuralgia in Germany. Ultsch B; Weidemann F; Reinhold T; Siedler A; Krause G; Wichmann O. BMC Health Serv Res; 13: 359, 2013.

11.Diagnosing and managing postherpetic neuralgia. Nalamachu S; Morley-Forster P.Drugs Aging; 29(11): 863-9, 2012 Nov.

12. Effect of pharmacist intervention on herpes zoster vaccination in community pharmacies. Wang J; Ford LJ; Wingate L; Uroza SF; Jaber N; Smith CT; Randolph R; Lane S; Foster SL.

J Am Pharm Assoc (2003); 53(1): 46-53, 2013 Jan-Feb.

 

Credenciada ANVISA para a emissão do Certificado Internacional de Vacinas