Vacinas protegem nossos filhos contra as principais
doenças infectocontagiosas da infância e que podem
ser adquiridas antes e após o nascimento.

 

Tais doenças geralmente não têm cura e podem acarretar sequelas 
graves e a morte.


A vacinação muitas vezes é o único modo de evità-las além de ser
um gesto de responsabilidade para com nossos descendentes e
com toda a coletividade, proporcionando a diminuição da
transmissão e uma menor incidência de doenças epidêmicas
e endêmicas em nossa região e em todo o planeta.

 

Vacinando gestantes, mulheres e homens que pretendem ser pais,
antes mesmo da concepção, não só lhes garante proteção e melhor
qualidade de vida, mas também evita que seu bebê, ainda no período intrauterino, adquira doenças infectocontagiosas que poderão comprometer toda sua vida futura.

 

A vacinação em massa contra poliomielite, está conseguindo praticamente erradicar a doença, a varíola, graças às vacinas, foi erradicada, mas ainda há muito por fazer para se controlar doenças que voltam a assolar a população humana, como o sarampo, a caxumba, a coqueluche, a dengue, a febre amarela, zyka, chikungunya.  Dengue, febre amarela, coqueluche  sarampo e caxumba são evitáveis pela vacinação.

 

O sarampo, a caxumba e a coqueluche, infecções severas e que estavam praticamente controladas, retornam agora com uma alta incidência e, o principal fator determinante é a opção de muitos pais de não vacinar seus filhos. Essa atitude tem resultado  em uma maior frequência destas doenças  e mutações ou adaptações dos microrganismos, fortalecendo-os e tornando-os mais virulentos.

 

A vacinação de adulto irá proteger futuas crianças e vice e versa, com um planeta mais saudável.

 

Doenças que podem ser evitadas através da vacinação infantil 

 

1. Difteria

Pode causar sérios problemas respiratórios e complicações cardíacas e do sistema nervoso central, inclusive paralisia.

 

2. Tétano:

Transmitida por falta de higiene manual, fezes humanas, objetos contaminados. No Brasil ainda existem casos de tétano neonatal, ou seja, recém-nascido que adquirem a doença logo ao nascimento quando a mãe não foivacinada na gestação.

É uma Infecção neurológica muito grave e que não tem cura, levando a espasmos musculares intensos, convulsão e morte. A vacinação infantil evita a doença, sendo importante vacinar crianças a cada 5 anos, adultos a cada 10 anos, principalmente gestantes, para se evitar a transmissão materno-infantil.

 

3. Pertussis (tosse comprida ou coqueluche)

Manifesta-se com crises intensas de tosse e falta de ar, vômitos e sufocação que podem se estender por semanas ou meses, complicando-se com alterações neurológicas e a morte. A possibilidade de complicações é maior em bebês menores de 06 meses.

 

Atualmente a tosse comprida (Pertussis) ou coqueluche está voltando na população humana, principalmente entre adultos jovens e adolescentes. Estes estão transmitindo para bebês mesmo antes de receberem a primeira vacinação. É uma preocupação atual em saúde pública, principalmente no Brasil, onde adolescentes e adultos não têm disponibilidade da vacina (só utilizada nos postos de saúde até os 05 anos de idade).

 

4. Polio

O vírus ataca o sistema nervoso infantil e paralisa os músculos podendo levar à morte.

 

5. Haemophilus influenzae type b (Hib)

Bactéria que causa meningite (terceira causa de meningite bacteriana na criança menor de 06 anos de idade), pneumonia (segunda causa mais comum) e otite (segunda causa).

 

6. Sarampo

Evolui com febre alta, sintomas gripais, tosse, conjuntivite, “rash” cutâneo por 1 a 2 semanas complicando-se com pneumonia, convulsões, encefalite e óbito. Controlado até pouco tempo atrás, o sarampo está retornando na população humana, principalmente devido à globalização, pois pessoas viajam e transmitem o vírus através das vias respiratórias.

 

Outro fator que tem sido implicado no retorno da doença é a não vacinação de crianças por parte de pais adeptos de filosofias, religiões ou tratamentos alternativos, fato que tem causado surtos de sarampo em todo o planeta.

 

7. Caxumba

Com febre, dor de cabeça, inchaço e dor no pescoço e face e que pode se complicar na forma de encefalite, pancreatite e orquite ( inflamação dos testículos que pode levar á esterilidade masculina). Em 2016, milhares de adolescentes e adultos jovens desenvolveram caxumba, principalmente durante viagens internacionais.  

 

8. Rubéola

Doença febril, com “rash” cutâneo e aumento de gânglios que pode levar até uma semana. Pessoas que adquirem rubéola transmitem a gestantes e estas aos seus fetos acarretando risco de infecção congênita grave, com malformações neurológicas , surdez, catarata, e aborto ou morte neonatal. A vacinação deve ser feita antes de se planejar uma gestação, ou seja, logo após os exames de pré-natal.

 

9. Varicella (catapora)

Com febre e lesões de pele que podem evoluir para infecção bacteriana e complicações graves como a síndrome do choque tóxico, encefalite, pneumonia e óbito. Deixar seu filho contrair catapora considerando-a uma doença leve é um risco, pois a doença é considerada grave atualmente devido ao aumento de complicações.

 

10. Hepatite B

Afeta o fígado fetal e pode levar ao câncer e cirrose no primeiro ano de vida quando a doença é transmitida pela gestante ao seu bebê. Tanto adultos como bebês devem ser vacinados para se evitar a transmissão materno-fetal. A principal forma de transmissão entre adolescentes e adultos é a sexual.

 

11. Doença Pneumocócica (pneumonia, otite e meningite)

O pneumococo é o principal causador de otite, sinusite em crianças e o segundo causador de meningite em todas as idades.  Essa bactéria capsulada tem alto poder invasivo e é de difícil tratamento acarretando otite, pneumonia e meningite, com sequelas neurológicas graves.

Muitas pessoas têm maior risco de contrair doença pneumocócica, como portadores de Síndrome de Down, pessoas com imunodeficiências primárias e secundárias, cardiopatas, transplantados, idosos , portadores de insuficiência renal e com doença neurológica.

A vacinação é fundamental a esse grupo de pessoas.  

 

12. Doença Meningocócica (meningite)

A meningite meningocócica é uma infecção fulminante que acomete todas as idades e facilmente evolui para a morte. Crianças até 1 ano de idade são as mais vulneráveis, por isso devem ser vacinadas precocemente. Adolescentes e adultos jovens também têm necessidade da vacina contra meningite meningocócica, pois são os que mais adquirem a doença atualmente, em viagens, nas salas de aula e outros ambientes fechados onde permanecem por longos períodos. 

 

13. Influenza (gripe)

 

Infecção respiratória que pode acarretar complicações severas em crianças menores de 02 anos de idade, gestantes, idosos e portadores de situações especiais, podendo evoluir para a pneumonia e síndrome respiratória aguda, extremamente grave e que pode acarretar a morte.

 

14. Hepatite A

Infecção do fígado que acomete comumente crianças, cuja transmissão se dá através de água e alimentos, principalmente durante sua fase oral, quando colocam tudo na boca.

Em crianças maiores, adolescentes e adultos, a hepatite A pode evoluir para insuficiência hepática fulminante.

Estas doenças podem ser evitadas através de vacinações, que atualmente são seguras e eficazes, tanto individualmente como de extrema importância em saúde pública.

 

Dra. Maria do Carmo Duarte Oliveira
Pediatra e Médica de Viajantes
Responsável técnica pela Clínica imunity