Vacinação contra HPV previnepapilomatose respiratória recorrente

 

Estudos comprovam que, além da proteção contra o câncer, a vacinação contra o papilomavírus humano - HPV,  também previne um doença incomum, mas incurável, que acomete as vias respiratórias de crianças e adolescentes: a papilomatose respiratória.

 

De acordo com um estudo recente, publicado no The Journal of Infectious Diseases, .a cronicidade e a dificuldade em tratar essa doença têm praticamente desaparecido após a instituição da vacinação contra HPV em adolescentes australianos.

 

Essa é a primeira vez que se comprova a ação protetora da vacina de HPV para a papilomatose respiratória recorrente, disse a autora do estudo, Julia M.L. Brotherton, MD, PhD, MPH, do Serviço de Citologia Oncológica de Victoria, Melbourne, Australia.

 

O que vem a ser papilomatose respiratória?

 

A papilomatose respiratória é uma condição clínica decorrnte da transmissão de vírus HPV (principalmente os sorotipos 6 e 11, causadores de verrugas) ao seu bebê, através da passagem pelo canal de parto, durante o nascimento.

Algumas crianças podem desenvolver verrugas (papilomas) em cordas vocais e outras regiões do trato respiratório, evoluindo com dificuldade para respirar, , se não tratadas, podem complicar-se com asfixia.

 

 O tratamento requer procedimentos cirúrgicos repetitivos, para a retirada das verrugas, podendo ocorrer perda de tecidos das vias respiratórias devido ao trauma.

 

O trauma maior, porém é o emocional, em que crianças e adolescentes que adquiriram o HPV de suas mães têm de permanecer estigmatizados  e com a necessidade de tratamento constante e desagradável. 

 

Estima-se que, no mundo, cerca de 800 crianças adquirem papilomatose respiratória a cada ano e o aparecimento de verrugas pode ocorrer ainda na primeira infância, como em fases mais tardias. 

 

Graças à vacinação contra HPV, os caosos de papilomatose respiratória recorrente juvenil, que ocorre em adloescentes, têm decrescido desde 2012, quando se iniciou a vacinação de adolescentes  e adultos na Austrália.

 

Referências bibliográficas